quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Éramos.



'Éramos um em dois corpos. Às vezes, éramos três, sete ou quinze. Nos multiplicávamos a cada conversa. Ela me falava coisas sobre a natureza, Trindade e como o alcoolismo atrapalhou a sua convivência com seu pai. Eu falava sobre tatuagens, Caio Fernando Abreu e do meu lado carente em ter sido órfão cedo demais. A gente rimava. Podíamos passar dias conversando que sempre haviam novos assuntos para curar o tempo. Não importava a conversa - das tolas às sérias - a gente ria de qualquer forma.

Ficávamos trancafiados no quarto, geralmente. Saíamos para comer, vez em quando, e espalhávamos garrafas d’água para a hidratação momentânea. Nosso sexo era a prova de que a bíblia estava certa sobre o paraíso. Mas ao contrário do que eles dizem, descobrimos que são os pecados que nos levam até ele. A quis vestida apenas com sua pele e aquecida com seu suor mais perfumado. Queria ver e apreciar seu sorriso e sua virilha. A quis nua, crua. 

Depois de tantos campos minados, encontramos nosso paraíso mais bonito. Porque o amor é como praias desertas, aquelas bem escondidas que Deus faz questão de preservá-las. A gente precisava saber ultrapassar trilhas apertadas, pedregosas e subir as montanhas mais altas só para apreciar as águas mais bonitas.

Encontramos, mergulhamos e nos afogamos. Quis evitar e voltar atrás. Mas a gente escrevia poesia de mãos dadas. E fazíamos música com as bocas ali unidas. Pintávamos quadros de olhos fechados. E percebíamos que é amor quando invade a cabeça e transborda pela pele. E transbordou como um tsunami, através de discussões tolas e xingamentos desnecessários.

E a gente tentava ficar juntos – lado a lado – não querendo ficar sozinho, sem saber que solidão é um sentimento e não uma constatação física. Quando não deu mais pé, vi ou ouvi ela dizer que ia embora. Mas não me deu as costas. Me olhou com olhar de “tchau” e covardemente esperou eu me virar primeiro. Não fui. E continuo não indo. Quando a boca não transmite o que vem da mente, o corpo age pelo coração que ainda pulsa.'


- Hugo Rodrigues.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Amor de Verdade.



Mas o amor, o amor mesmo, o amor maduro, o amor bonito, o amor real, o amor sereno, o amor de verdade não é montanha-russa, não é perseguição, não é telefone desligado na cara, não é uma noite, não é espera. O amor é chegada. É encontro. É dia e noite. É dormir de conchinha. É acordar e fazer um carinho de bom dia. É ajuda, mãos dadas, conforto, apoio. E saco cheio, também. Porque de vez em quando o amor enche o saco. Tem rotina, tem manhã, tarde, noite, tem defeito, tem chatice, tem tempestade. Mas o céu sempre limpa. Porque o amor é puro como o azul do céu.

- Clarissa Corrêa.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Ano Novo.



Então, os dias passam e a promessa do novo se inicia. Listinha aqui, listinha ali, mais espumante para comemorar, roupa nova e branca, calcinha nova da cor do ano, simpatia para ter prosperidade, sete ondas se você está na praia, lentilha, lágrimas que chegam ao lembrar do que foi bom e ruim, abraços de feliz ano-novo, uma sensação de que, sim, as coisas vão melhorar. 

Eu gosto do ano-novo. Sei lá, me sinto viva. Acho que é o encerramento de um ciclo e o começo de outro. Pode ser apenas um símbolo, pode até não mudar nada, mas faz uma diferença enorme dentro de mim e na minha forma de enxergar as coisas. O ano-novo acho de alguma maneira traz mais esperança. É isso: é a esperança. Ela que nos move e nos faz acreditar que o amanhã pode, sim, ser mais colorido. E será. 

- Clarissa Corrêa.

Quero o Novo.



''Eu quero coisas 'diferentes', lugares diferentes, pessoas diferentes. Abraços novos, cheiros novos, sorrisos, ah, sorrisos novos. Quero um amigo novo, quero amar de novo. Novos ares, novas paisagens, novos sites, um assunto novo para as tardes chuvosas, novas agonias, novas preocupações - pelo menos alguma que valha a pena, notícias novas, músicas novas, fotos novas, eu quero olhares novos. Eu quero o novo, quero ter o novo, quero sonhar com o novo e sonhar de novo. Eu quero tudo novo, talvez uma vida nova, uma palavra nova, pode até ser uma antiga, para eu não esquecer quem sou em meio a tanta coisa nova. Eu quero viver o novo e viver de novo. Quero um livro novo, quero café novo e um acompanhante novo, quero você de novo.''

domingo, 23 de dezembro de 2012

Sem explicação.


Existem coisas na vida que não tem explicaçao, não há livro de auto ajuda que ajude, amiga de melhores conselhos que resolva, colo de mae que ocupe aquela dor. Eu sempre procurei qualquer tipo de mudança em você, qualquer tipo de brecha que pudesse nos fazer dar certo, mas é certo que tem coisas na vida, que simplesmente nao acontecem. Procurei de todas as formas achar algo que pudesse curar essa dor, mas tem dores, que nada cura, ou melhor, quase nada. 

Porque você ao longo do tempo, se tornou um remédio para mim, é de você que eu lembro quando algo dói, é de você que eu lembro quando o riso solta. Foi de voce que eu sempre lembrei, do seu jeitinho encantador, porém, com seus defeitos. Defeitos os quais não permitiram que estivéssemos agora juntos. Defeitos que de certa forma me separaram de ti. 

Foi assim, sempre foi, seu orgulho sempre te locomoveu e o meu me fixou, e aqui estou. Escrevendo pra alguem que talvez nao lembre dos nossos defeitos. O que me dói, ou talvez console, é saber que nao deu certo na primeira, mas por ser ele, eu tentei pela segunda, terceira vez... Mas nada adiantou. 

Talvez exista um pedaço de destino em nossos caminhos, talvez um dia nossas vidinhas idealizadas se cruzem e tenhamos certeza de que nascemos para curarmos um ao defeito do outro.

-Juliana Sulzbach.

Inteira.



Hoje acordei inteira. Migalhas? Pedaços? Não, obrigada. Não gosto de nada que seja metade. Não gosto de meio termo. Gosto dos extremos. Gosto do frio. Gosto do quente. Gosto dos dedinhos dos pés congelados ou do calor que me faz suar o cabelo. Não gosto do morno. Não gosto de temperatura-ambiente. Na verdade eu quero tudo. Ou quero nada. 

Não sei sentir em doses homeopáticas. Sempre fui daquelas que falam "eu te amo" primeiro. Sempre fui daquelas que vão embora sem olhar pra trás. Sempre dei a cara à tapa. Sempre preferi o certo ao duvidoso. Quero que se alguém estiver comigo, que esteja. Mesmo que seja só naquele momento. Mesmo que mude de idéia no dia seguinte.

- Fernanda Mello.

sábado, 22 de dezembro de 2012

Para O Próximo Ano





Tô de peito aberto, cabeça erguida, pé atrás. Acredito num ano de realizações, muito amor e sucesso, não por ter fé em 2013, mas por ter fé em mim. E esse ano, entre tantas lições, crises, lágrimas de dor e felicidade, me ensinou isso: Ser mais eu, ser completamente eu, transbordando mesmo, intensa mesmo e fica quem quer. Vai embora quem tem que ir. Vida que segue e, com toda certeza do mundo, aconteça o que acontecer, eu sobrevivo. Eu evoluo. Amadureço. Eu esqueço, mas aposto um doce que muita gente que me deixou escorrer pelas mãos, nunca vai esquecer de mim.

- Marcella Fernanda.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Para 2013.



No ano que se aproxima quero ser cheia, transbordar. Sem fazer planos. Sem inventar estatísticas. Sem confabular com os botões. Sem tentar entender e captar as entrelinhas. Sem ter metas. Sem colocar empecilhos para as minhas faces. Sem me boicotar. Sem me culpar. Sem querer explicações para tudo (tu-do!). Sem buscar respostas para as minhas dúvidas. Sem bolar teses malucas. Simplesmente relaxar. E aprender a me conhecer, afinal, não sou fácil. É impossível me resumir.

-  Clarissa Corrêa.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

O Que O Amor Tira.


















O que me interessa no amor, não é apenas o que ele me dá, mas principalmente, o que ele tira de mim: a carência, a ilusão de autossuficiência, a solidão maciça, a boemia exacerbada para suprir vazios. Ele me tira essa disponibilidade eterna para qualquer um, para qualquer coisa, a qualquer hora. Ele apazígua o meu peito com uma lista breve de prós e contras. Mas me dá escolhas.

O amor tira de mim a armadura, pois não consigo controlar a vulnerabilidade que vem com ele; tira também a intransigência. O amor me ensina a negociar os prazos, a superar etapas, a confiar nos fatos. O amor tira de mim a vontade de desistir com facilidade, de ir embora antes de sentir vontade, de abandonar sem saber por quê. 

E é por isso que o amor me assombra tanto quanto delicia. Porque não posso virar as costas pra uma mania quando ela vem de uma pessoa inteira. Porque eu não posso fingir que quero estar sozinha quando o meu ser transborda companhia. 

O amor me tira coisas que eu não gosto, coisas que eu talvez gostasse, mas me dá em dobro o que nunca tive: um namoramento por ele mesmo. O amor me tira aquilo que não serve mais e que me compunha antes. O amor tirou de mim tudo que era falta.

- Marla de Queiroz.

domingo, 16 de dezembro de 2012

Joelho Ralado.



Uma criança cai e chora alto até a mãe escutar, mas quando cresce e leva uma rasteira da vida, começa a chorar escondida e bem baixinho no escuro do quarto, pra não precisar explicar uma dor que aparentemente não corta, mas machuca bem mais do que um joelho ralado.

- Autor Desconhecido.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

No Fim Das Contas



Nunca tem roupa o suficiente, sapatos que combinem, maquiagem pra ocasião. Sempre falta o batom ideal, um pincel mais profissional, um cinto que faça toda a diferença. Você compra o vestido mais lindo do mundo e depois da segunda vez que usa, já tem certeza de que o mundo inteiro já te viu com ele e precisa urgente de um novo. A moda vem, a moda vai e acompanhar é quase um esporte. É de enlouquecer qualquer uma e do tipo de loucura que não tem fim. Repica o cabelo, pinta, faz franja, californiana, ombré hair, deixa crescer, volta à cor natural. Academia, dieta. E tudo isso pra quem? Tudo isso pra que? Pra ser melhor do que a menina que te olha torto, impressionar, pra não enjoar da imagem refletida no espelho, pra se sentir desejada pelos carinhas que se acham o máximo, mas são o mínimo. Se sentir melhor consigo mesma, talvez. 

Mas me diz, no final de tudo, no fim das contas, se sente mesmo? No dia seguinte da festa, depois do demaquilante, com o cabelo preso, essa é você. E ela é absurdamente linda, sem roupa enfeitada, sem forçar a barra, crua. Depois do banho, de cabelo ainda molhado, é o estado mais puro e sublime da beleza que quase todas insistem em esconder com quilos de pó corretivo e base. 

A triste verdade é que a gente passa a vida se maquiando, produzindo, mudando o cabelo e o guarda-roupa a todo instante, esperando pelo cara que ache tudo isso muito bonito, mas num domingo de tarde qualquer, te olhe de short, blusa branca e chinelo e confesse, meio sem jeito "Eu prefiro mil vezes você assim, de cara limpa".

- Marcella Fernanda.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Admiro.



Admiro as pessoas que são o que são. Falam alto nos bares. Beijam apaixonadamente. E contam as piores verdades do mundo. Sinceridade é afrodisíaco. Inteligência, também. Odeio rótulos vazios ou rótulas cansadas. Odeio moldes ou cabelos penteados. Arrumação demais é pra gente que tem tempo a perder. Eu não. Meu coração é um parque de diversões aberto vinte e quatro horas.

Hugo Rodrigues.

Tem Que Ser Você.


Amor novo :)
Se não fosse para ficarmos juntos, você teria encontrado outro cara por aí, numa festa, num bar ou no teu trabalho novo. Ou talvez, numa noite qualquer com aquelas tequilas que você adora, você ficaria bêbada demais para manter o pudor, transaria sem camisinha numa viela escura e um desconhecido passaria a ser o tal homem da tua vida e pai de um descuido eterno teu. Ou comigo, nessas tantas noites solitárias, talvez, uma pequena me oferecesse colo e uns carinhos na nuca e eu me apaixonaria pela sensação de paz que ela me passaria. 

Se não fosse para ficarmos juntos, minha ex-namorada não iria terminar comigo sem motivo algum no verão passado. Mas aconteceu assim. Cada dia, cada segundo, cada vírgula e cada passo nos trouxeram até hoje. Somos nós aqui, livres para sermos só nós. Cheios de carências e querências desse tempo sem ninguém. Eu ainda não tenho aquela tal certeza absoluta, mas você aspira ser o amor da minha vida. Tem que ser você.

- Hugo Rodrigues em: Mulheres, Malditas Maravilhas.

domingo, 9 de dezembro de 2012

Ela.





Ela é daquelas que mordem o canudo do refrigerante, os lábios inferiores e meus lóbulos da orelha quando tem vontade. Gargalha ironicamente quando eu tropeço ou coisa assim, mas se eu faço um drama qualquer, corre como uma mãe
 desesperada para saber se estou bem. Ela nunca aceitou casar comigo, mas desdenha de qualquer mulher que se aproxima de mim com interesses românticos. Ela se diz minha dona, mas vive num mundo só dela.

Ela não sabe chorar. Quando está feliz, gargalha um sorriso de doze metros e me engole como uma faminta tubarão fêmea. Quando está triste, sorri com os olhos me pedindo um cadinho de atenção, um carinho no cotovelo ou vinte centímetros do meu peito para ela repousar suas dúvidas. “Coloca aquela música pra tocar”, ela diz. “Ok, mas prometa lembrar de mim sempre que ela tocar por aí”, eu respondo.

Sempre que caminho ao norte para longe dela, que se direciona ao sul, basta um risinho daquela pequena ou uma piscadela barata de cílios que minhas pernas já mudam de direção. Meu coração volta correndo para seus domínios como um menino que estava tentando matar aula e foi pego pelo inspetor. Às vezes, até chego na beira da estrada, sinto um cheirinho de vida sozinha, mas quando a vejo me olhar de costas, com os cabelos tapando metade de seu rosto, fazendo com aquele indicador maldito ondas que me chupam para seu lado.

Depois que a conheci, desconheci todo o resto. Ela veio me dizendo “oi’ e eu já fui me despedindo de tudo o que eu era antes. Não deve ser amor. Mas tô em dívida com tristeza desde que ela chegou.


- Hugo Rodrigues

sábado, 8 de dezembro de 2012

Sobre O Medo de Amar de Novo.



Olhando assim de longe, com olhos mirando o sorriso, a leveza dos passos acompanhando as horas, a delicadeza ao esconder a franja atrás da orelha, mal se sabe da bagagem muitas vezes pesada, que nos acompanha na travessia. O amor costuma deixar rastros, pegadas, marcas duras que sobrecarregam a singela malinha reformada em vivos tons florais que levamos no entrelaçar dos dedos, ao longo da vida. A gente pega tudo aquilo que um dia doeu, machucou, feriu, negligenciou, e coloca ali, naquela mala cheia de flores radiantes, que é pra lembrar que até na dor se consegue algum perfume.

Nos bares, na balada, no cinema, no jantar com as amigas, lá está ela, nossa doce pintura floral recheada de medos, receios, lágrimas, despedidas, resquícios de chegada, beijos que selaram partidas, a nos lembrar aquilo que os grandes poetas já previam, o amor pode vir  bem de mansinho a nos dilacerar de novo.

Penso nos passarinhos que nos cortejam com a sinfonia do amanhecer mesmo ainda de janelas fechadas, pois sabem que o dia chega para todos, mesmo que a noite seja um pouco mais longa para alguns.

E como as melhores coisas da vida, surgem assim, em acasos afortunados, a mocinha da padaria retribui seu sorriso na fila do pão, o cara do elevador resolve te auxiliar com os milhões de papéis ou simplesmente aquele gato/a da rede social da sua irmã te envia uma solicitação de amizade acompanhada de um convite para o jantar de quinta feira. É o amor pedindo passagem. É o amor com uma pá, uma vassoura e uma chave pra destrancar o cadeado dessa bagagem tão friamente lacrada a cada ida e vinda.

A mão se estende acompanhada de um inquestionável sorriso no olhar, mas logo o braço recua. É que dá um medo danado se apaixonar de novo. No meio de um monte de cacos, estilhaços, mágoas, dores, aparece alguém com uma “super cola”, um sorriso lindo e diz: levanta menina! Um milhão de decisões equivocadas, atitudes impensadas e impulsos desconexos passam pela nossa cabeça e você hesita. Hesita, porque cicatriz de amor é uma das coisas mais difíceis de se carregar na bagagem. Não tem roupa, cachecol, colar ou armadura que esconda a marca eterna daquilo que não ficou. E a iminência do amor, traz também muitas vezes, o presságio de uma nova ferida.

Daí a gente olha para o lado e tem a amiga traída pelo namorado, o rolo inconsistente da mesa ao lado, o beijo sem sentimento do cara balada, todos os sms não correspondidos e pensa: não seria emocionalmente mais prudente caminhar sozinha?!

De fato seria. Mas ai tem também aquela amiga radiante com os preparativos do casamento, o pedido inusitado de namoro de dois desconhecidos no corredor da faculdade, a troca de olhares amorosos do casal de amigos no bar, e todo o medo que motivava o receio some, como num doce passo de mágica. Os pequenos requintes de delicadeza como o gorjeio de um bem-te-vi pela manhã, nos fazem lembrar a parte mais importante do amor: aquela que não dói.

É verdade o que dizem por ai: amor é coisa de gente corajosa, amor é coisa de dois. Talvez por isso seja tão absurdamente difícil criar vínculos com alguém. Não basta haver oportunidade, tem que existir troca, predisposição. Tem que existir parceria. Aquela que você troca sua bagagem pela do outro por livre arbítrio e juntos, libertam para o mundo todas as pétalas mortas, daquela flor, que um dia foi um suave buquê. Ao invés de bagagens, mãos dadas. Ao invés de peso, leveza. O amor antes um pássaro engaiolado, agora, permite-se ser livre.

Penso nos passarinhos da janela, na saudação do bem-te-vi, em primeiras, segundas e terceiras chances, penso em passarinhar.
Se o passarinho vier: dê passagem, ofereça sua bagagem e abra os caminhos. Porque amor de verdade se a gente deixar, muda a vida da gente. Passarinhe, aninhe, ame por aí.

- Danielle Daian, Casal Sem Vergonha.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Sinto Falta.



Sinto falta das flores no peito. Sinto falta de me permitir sentir mais. Sinto falta de esperar cartas, emails e ligações que realmente aconteciam. E se repetiam. Sinto falta de falar sem medo tudo que sinto, me arriscar junto com alguém que com certeza hoje em dia também sente falta disso tudo. 

Sinto falta da aventura, que por muitas vezes parecia loucura, mas era feita de coração. Sinto falta de querer ficar ao lado de alguém morrendo de medo do que pode acontecer amanhã, e assim permanecer, só para depois poder rir disso tudo. Acho que é isso. Sinto falta do medo. De quando era mais fácil, talvez mais banal e menos calculado. Era muito bom morrer de medo. E matar as minhas aflições recebendo palavras jogadas e uma promessa sincera de dia seguinte. Era tudo jogado, sem ser pensado, mas era sincero. 

Sinto falta do meu primeiro namoro, quando as coisas eram um turbilhão. Apelidos eram bregas, mas eram bonitos e gostosos de ouvir. Aquela não tão velha eu se permitia fazer parte disso tudo.  Não sei o que aconteceu ou em que desamor isso virou saudade. 

Sinto falta das flores no peito. Decepções murcham o coração.


- Marcella Brafman. Via: http://www.semcliche.com.br/site/as-flores/

Amor Tranquilo.



O melhor amor do mundo é o amor tranquilo. Aquele que não assusta, não te faz acordar no meio da madrugada, não deixa o coração na boca e nas mãos. O melhor amor do mundo é amar em paz.
Que me desculpem aqueles que gostam de emoção. Depois de uns anos e um pouquinho de experiência, a gente deixa o ciumes e a insegurança lá na paixão. A paixão é imatura e sabe lidar com os embaralhos do coração. O amor tranquilo é maduro e não aceita lidar com meninice.
Esqueçam os joguinhos. Falar e berrar nossos sentimentos fazem parte sim do melhor amor do mundo. Mas com a deliciosa diferença de se faz tudo isso junto. A gente também explode. Só que na mesma intensidade.
Amar em sintonia. Sem sufoco. O melhor amor do mundo aparece nas pequenas coisas. O amor tranquilo faz ler pensamentos. E o que ele tem de mais sincero é o andar de mãos dadas.
Eu faço um brinde a emoção que o melhor amor do mundo nos faz sentir. A de que haverá sempre a manha seguinte, o próximo beijo, os futuros planos. Tim-tim para a segurança de um coração tranquilo.


- Via: http://www.semcliche.com.br/site/um-brinde-ao-amor-tranquilo/

Eu, Modo de Usar



Pode invadir ou chegar com delicadeza,mas não tão devagar que me faça dormir.
Não grite comigo que tenho o péssimo hábito de revidar.Acordo pela manhã com ótimo humor,mas permita que eu escove os dentes primeiro.



Toque muito em mim, principalmente nos cabelos. E minta sobre a minha nocauteante beleza.Tenha vida própria, me faça sentir saudades.Conte umas coisas que me façam rir, mas não conte piadas.Nem seja preconceituoso, não perca tempocultivando esse tipo de herança dos seus pais. Viaje antes de me conhecer, sofra antes de mim para reconhecer-me um porto, um albergue da juventude.

Eu saio em conta, você não gastará muito comigo. Acredite nas verdades que digo e nas mentiras. Elas são raras e sempre por uma boa causa. Respeite meu choro, me deixe sozinha, só volte quando eu chamar, e não me obedeça sempre, que eu também gosto de ser contrariada (então, fique comigo quando eu chorar, combinado?).

Seja mais forte que eu e menos altruísta. Não se vista tão bem, gosto de camisas pra fora da calça. Gosto de braços, gosto de pernas e muito de pescoço. Reverenciarei tudo em você que estiver a meu gosto: boca, cabelo, os pelos no peito e um joelho esfolado. Você tem que se esfolar às vezes, mesmo na sua idade.

Leia, escolha seus próprios livros, releia-os. Odeie a vida doméstica e os agitos noturnos,
seja um pouco caseiro e um pouco da vida, não de boate. Que isso é coisa de gente triste. Não seja escravo da televisão, nem xiita contra. Nem escravo meu, nem filho meu, nem meu pai.

Invente um papel pra você que ainda não tenha sido preenchido e o inverta às vezes, me enlouqueça uma vez por mês. Mas me faça uma louca boa, uma louca que ache graça e tudo que rime com louca: loba, boba, rouca, boca.

Goste de música e de sexo, goste de um esporte não muito banal. Não invente de querer muitos filhos, me carregar pra missa, apresentar sua família, isso a gente vê depois, se calhar. Deixe eu dirigir seu carro, aquele carro que você adora. Quero ver você nervoso, inquieto. Olhe para outras mulheres, tenha amigos e digam muita bobagem juntos. Não me conte seus segredos, me faça massagem nas costas.

Não fume, beba, chore, eleja algumas contravenções, me rapte. Se nada disso funcionar,experimente me amar.


- Martha Medeiros.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Carpe Diem - Filosofia de Vida.




'Carpe Diem é uma frase em latim de um poema de Horácio, e é popularmente traduzida para colha o dia ou aproveite o momento. É também utilizado como uma expressão para solicitar que se evite gastar o tempo com coisas inúteis ou como uma justificativa para o prazer imediato, sem medo do futuro.
Ela resume o poema que a precede e no qual Horácio busca persuadir Leuconoe a aproveitar o momento presente e dele retirar todas as suas alegrias, sem se inquietar nem com o dia nem com a hora de sua morte.
Trata-se, portanto, de um hedonismo de ascese, uma busca de prazer ordenado, racional, que deve evitar todo desprazer e toda supremacia do prazer.' 

- Fonte: Wikipédia.

Essa é a minha filosofia. Curtir, aproveitar o momento enquanto ele acontece, é o melhor caminho que podemos seguir, diante da incerteza do amanhã. 

As pessoas tem a mania besta de se privar de certas coisas  com medo do amanhã. Porém, elas não se dão conta de que o amanhã pode não chegar. É como aquela frase: 'O problema de resistir à uma tentação é que você pode não ter uma segunda chance.'

A minha dica é: se jogue! Aproveite enquanto é tempo. Enquanto somos jovens para virar a noite acordados e ir trabalhar no dia seguinte de manhã. Se jogue em um romance que  você não sabe se terá futuro. Caia de boca naquele brigadeiro que você está resistindo há dias. 

A felicidade é muito mais fácil de chegar para aqueles que não se preocupam tanto. Então deixe a preocupação de lado e pense: O que estou com vontade de fazer agora?

- Tatianna Reiniger Novaes.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

É Melhor.





É melhor você ter uma mulher engraçada do que linda, que sempre te acompanha nas festas, adora uma cerveja, gosta de futebol, prefere andar de chinelo e vestidinho, ou então calça jeans desbotada e camiseta básica, faz academia quando dá, come carne, é simpática, não liga pra grana, só quer uma vida tranqüila e saudável, é desencanada e adora dar risada.

Do que ter um
a mulher perfeitinha, que não curte nada, se veste feito um manequim de vitrine, nunca toma porre e só sabe contar até quinze, que é até onde chega a sequência de bíceps e tríceps.

Legal mesmo é mulher de verdade. E daí se ela tem celulite? O senso de humor compensa.
Pode ter uns quilinhos a mais, mas é uma ótima companheira. Pode até ser meio mal educada quando você larga a cueca no meio da sala, mas e daí?

Porque celulite, gordurinhas e desorganização têm solução. Mas ainda não criaram um remédio pra futilidade.

- Arnaldo Jabor.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Tudo O Que Sinto.



Ela também teve seu coração machucado. Dilacerado, imagino. Normal. Desse mal, meu bem, ninguém escapa. Mas o bom disso tudo é que agora consigo abrir meu coração sem rodeios. 

Sim, amei sem limites. Dei meu coração de bandeja. Sim, sonhei com casinhas, jardins e filhos lindos correndo atrás de mim. Mas tudo está bem agora, eu digo: agora. Houve uma mudança de planos e eu me sinto incrivelmente leve e feliz. 

Descobri tantas coisas. Tantas, Tantas. Existe tanta coisa mais importante nessa vida que sofrer por amor. Que viver um amor. Tantos amigos. Tantos lugares. Tantas frases e livros e sentidos. Tantas pessoas novas. Indo. Vindo. Tenho só um mundo pela frente. E olhe pra ele. Olhe o mundo! É tão pequeno diante de tudo o que sinto. 

Sofrer dói. Dói e não é pouco. Mas faz um bem danado depois que passa. Descobri, ou melhor, aceitei: eu nunca vou esquecer o amor da minha vida. Nunca. Mas agora, com sua licença. Não dá mais para ocupar o mesmo espaço. Meu tempo não se mede em relógios. E a vida lá fora, me chama.

- Fernanda Mello.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

O Poder Atômico das Sutilezas.



Doze de Junho. Gastei todo meu tempo tentando escolher a flor perfeita, aquela que possuía as pétalas mais simétricas e o arranjo mais sofisticado. Passei minutos pensando se aquela orquídea lilás combinaria com o quarto dela e se aquele laçarote não faria de mim o homem mais brega do mundo. Já no carro, lembrei que havia esquecido de comprar um cartão, então corri de volta a floricultura e peguei o primeiro impresso que vi, no qual estava escrito: “Você é meu amor, sabia?”
Toquei meia campainha e a porta rapidamente abriu-se, como se ela tivesse adivinhado que eu estava chegando. Além de linda ela estava visivelmente ansiosa. Sorri como aprendi nos filmes e em meio a tanto chichê das comédias românticas fiz a mágica de retirar a flor escondida atrás das costas. Ela sorriu, agradeceu e foi direto ao cartão. Abriu-o como se tivesse faminta pelas minhas palavras e esperasse que naquele pedaço de papel eu tatuasse meus sentimentos mais inconfessáveis. Sim, ela deixou a planta de lado e deu de cara com um papel escrito por outra pessoa, em larga escala de impressão e com dizeres extremamente genéricos. Naquele dia perdi a grande chance de ser único e percebi algo imenso, que mudaria a minha vida dali em diante:
Sutilezas têm um poder devastador.
Finalmente enxerguei a linha tênue e quase invisível que separa os simples presentes das grandes surpresas. Vi nos olhos decepcionados dessa antiga namorada o que todas as mulheres querem dos homens e, por incrível que pareça, não são apenas flores, chocolates, jantares e nem mesmo cartões. As mulheres esperam atitudes que demonstram que seus homens as entendem melhor do que elas próprias são capazes. Isso pode parecer assustador, mas mesmo que não venham com manual de instruções, as mulheres querem ser inteiramente lidas, aprendidas e, então, percebidas como peças únicas em toda galáxia.
Sim homens, pode parecer excesso de detalhismo, mas comecem a enxergar de verdade a mulher que dorme ao teu lado. Não abram apenas portas de carros, mas também os olhos e ouvidos para todos os detalhes e demonstrações feitas por elas. Liguem-se nos pequenos comentários, nas mínimas peculiaridades que as tornam única em meio a tantas outras e com isso, serão machos únicos também.
As surpresas mais ricas não são feitas com anéis de brilhante tirados de cartolas mágicas, ou de caminhões lotados com rosas colombianas. Surpreender uma mulher é dar-lhe algo, seja uma palavra, experiência, carinho sexual ou mesmo um presente, que demonstre o quanto você prestou atenção nela, o quanto você fez questão de entendê-la mesmo quando ela não soube como fazê-lo. Os presentes mais grandiosos cabem numa caixinha de fósforo, podem até ser feitos com tinta de caneta Bic, mas com certeza não servem tão bem para nenhuma outra mulher, pois precisam ser esculpidos e lapidados somente pra sua, ou pra aquela a quem quer encantar.
Surpreender de verdade é:
Entregar-lhe um bombom não apenas para matar-lhe o constante já redundante desejo chocólatra, mas para mostrar que, pelas pernas que não paravam de balançar, você percebeu que ela estava ansiosa por alguma coisa.
Aprender a fazer bolinho de arroz para impressioná-la em plena terça-feira, mesmo que ela só tenha dito uma vez na vida o quanto ela ama comer esse quitute.
Dar-lhe uma sapatilha nova, mas não apenas por saber que todas as mulheres do mundo amam sapatos, mas por ter prestado atenção em cada reclamação dela, dizendo o quanto ela odeia a dor que sente nos pés toda vez que é obrigada a usar salto alto.
Comprar um cartão inteirinho em branco somente para preenchê-lo com palavras que podem não significar nada para o resto da humanidade, mas que para ela e somente pra ela, resumem tudo.
Chupá-la e penetrá-la exatamente do jeito que a faz rasgar os lençóis, porque como homem, você nunca deixou de observar atentamente cada contração, latejar e orgasmo do corpo dela.
Ao fazer dela o material de estudo mais interessante que existe, você não tirará somente as melhores notas, mas conquistará também o poder estremecedor de transformar simples atitudes em memórias eternas.

Obs: Se você é uma mulher interesseira, desconsidere o texto acima.

- Ricardo Coiro, Casal Sem Vergonha.

Sou e Não Sou.



 'Sou uma cética que crê em tudo, uma desiludida cheia de ilusões, uma revoltada que aceita, sorridente, todo o mal da vida, uma indiferente a transbordar de ternura.'

Uma romântica que mostra desprezo, uma inteligente que prefere conversar sobre assuntos leves e uma sonhadora que não cria expectativas. - Tatianna Reiniger.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Desafio.



Quer um bom desafio? Experimente gostar de mim. Não sou fácil. Não coleciono inimigos. Quase nunca estou pra ninguém. Mudo de humor conforme a lua. Me irrito fácil. Me desinteresso à toa. Tenho o desassossego dentro da bolsa.

(...) Mas não tem nada, não. Bonito mesmo é essa coisa da vida: um dia, quando menos se espera, a gente se supera. E chega mais perto de ser quem - na verdade - a gente é. 

- Fernanda Mello.

Amor É Conversa de Botequim



A vida te dá uma rasteira. Você cai, tropeça, o sonho borra a maquiagem, o coração se espalha. Você sente dor, perde o rumo, perde o senso e promete: Paixão nunca mais. 

Você sente que nunca irá amar alguém de novo, que amor é conversa de botequim, ilusão de sentido, que só funciona direito pra fazer música, poesia e roteiro de cinema. E você inventa. Um amor pra distrair. Um amor pra ins-pirar, um amor pra trans-pirar. Uma paixão aqui, um quase-amor ali. 

Ainda bem que existem os amigos, para amar, abraçar, sorrir, cantar, escrever em recibos e tirar fotos bonitas. E a vida segue. Sua imaginação te preenche, e seus amigos te dão colo, Vodka e dias incríveis.

- Fernanda Mello.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Manual Para Os Homens.



Homens precisam passar segurança. Mas não precisa ser forte ou algo assim. Pode ser baixinho, gordinho e com pouco talento em artes marciais. Mas precisa passar segurança ao entrelaçar os dedos na gente como se ali gritasse que tudo vai dar certo. Homens precisam ter um colo paterno, mas saber que não são nossos pais. Homem é um misto de irmão mais velho ciumento, irmão mais novo implicante e primo safado da cidade grande.

Homens têm que chegar no horário e esperar sem reclamar. Esqueça aquela ideia de que mulheres se vestem para outras mulheres olharem. Na verdade, eu demoro horas me arrumando exclusivamente para você. A ideia é que você não olhe para outras mulheres. Homem tem andar do lado de fora da calçada e nos levar em casa sempre. Seja de carro, moto, ônibus, taxi ou a pé. Mas é importante nos levar no portão, assim, por tradição clichê, sabe? As mulheres evoluíram, eu sei. Mas o cavalheirismo não saiu da moda não. E pelo que ando lendo por aí, nunca sairá.

E não confunda cavalheirismo com homossexualidade. Há vários gays mal educados, também. Educação nada tem a ver com orientação sexual. Então, se você abrir a porta do carro, pedir para carregar os pesos e ceder o assento para qualquer mulher ou idoso não te faz um gay assumido, entende? Homem tem que ter pegada. Mas não achar que pegada significa arrancar tufos do meu cabelo. Tem que saber apertar meu rabo de cavalo sem tirar nenhum fio dali. Vai por mim, homens que machucam demais na hora da transa não são excelentes bons de cama. Homem tem que ser atencioso, seja para perceber que cortamos dois dedos do cabelo ou para distinguir nossos gemidos de “tente mais um pouco” e de “não para, pelo amor de Deus”.

Não me dê flores, chocolates, ursinhos de pelúcias ou etc. Me dê cartões. Escreva coisas estúpidas e bobas que me farão rir como uma criança. Depois disso, compre flores, chocolates e ursinhos. Você pode me dar um helicóptero todo rosa pink, com minhas iniciais na porta, mas se não tiver um cartãozinho surpresa com teus garranchos, não será a mesma coisa, entende?

Homens não precisam ser um Fred Astaire, mas é importante nos tirar para dançar. Não pela dança, em si, mas pelo ato de nos carregar pela mão pelo salão. Nos exibir por aí como sua maior conquista. Homens que nos amam são ótimos. Mas, melhores ainda são os que têm orgulho de nos amar. Eu não gosto de futebol, mas se você quiser me levar para assistir ao jogo com seus amigos, eu vou gostar, entende? É como te levar para almoçar na casa dos meus avós. Pouco me importa a comida ou algo assim, o que eu quero é te aproximar da minha família e te mostrar aos meus parentes.

Os homens quem leem são mais interessantes. E ser interessante vale mais do que olhos azuis e peitoral malhado. Não seja um chato replicador de frases do Caio Fernando Abreu ou coisa assim. Mas saiba declamar Fernando Pessoa ao pé do meu ouvido como se você mesmo tivesse escrito aqueles versos pensando em mim. É como não saber cantar, mas esforçar-se para cantar aquele refrão bonito dos Los Hermanos e dizer que lembra de mim toda vez que ouve, sabe?

Surpresas sempre são bem-vindas. Seja por um cartão bonitinho ou por aquela trufa de chocolate que você sabe que sou apaixonada. Entenda que presentes não são o preço que custaram. Como próprio nome já diz, presentes são para fazer presença. Então, cada vez mais que eu fizer presença em tua vida, saberei que faço parte dos teus dias, também.

Em dias nublados, homens têm que sair com casacos mesmo que não esteja sentindo frio. Hormonalmente, mulheres sentem mais frios do que os homens, então o seu casaco extra será importante nesses momentos. Mas não se esqueça de nos abraçar, também. Melhor do que casaco de lã é par de braços perfumados.

Homens precisam ser simpáticos. Mas nada de muito sorrisinho para qualquer vadiazinha em rede social. Nem solícito demais a ex-namoradas. Ter ciúmes é legal. Mas nada em exagero. Implique com meus decotes ou com meus vestidos curtos. Mas como quem cuida, não como quem ordena.

Sorria dos meus ciúmes, mas sem deboche. E me faça sorrir, também. Homens precisam saber nos fazer sorrir – mesmo que não sejam exímios contadores de piada. Mas é de extrema importância nos fazer sorrir. Seja por cócegas, por caretas, por se sujar ao lavar a louça ou por comprar o box de The Big Theory. Mas me faça sorrir. Entendam que a porta do coração das mulheres está nas gargalhadas que ela dá ao seu lado.


- H. Rodrigues.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Solidão Necessária.



Tenho uma particularidade instigante: preciso da solidão. Gosto de pessoas, preciso delas, não sei viver sozinha. Mas gosto de ver televisão sozinha, sem ninguém falando junto. Sou chata, não gosto de dividir banheiro com ninguém. Sou espaçosa, gosto das minhas coisas em seus lugares. Preciso da solidão pra ler, pra olhar para o teto, pra escrever, pra fazer as unhas, pra pensar em tudo, pra fazer nada. Preciso da solidão pra ser eu mesma. 


- Por Tatianna Reiniger. Adaptado do texto de Clarissa Corrêa.

domingo, 25 de novembro de 2012

Desejo



'Gostaria de te desejar tantas coisas. Mas nada seria suficiente. Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos. Desejos grandes. E que eles possam te mover a cada minuto, ao rumo da sua felicidade!'

- Carlos Drummond de Andrade.

domingo, 18 de novembro de 2012

Te Esqueci.

 

Te esqueci na noite passada, desculpa. Rápido, eu sei, a gente nem chegou a começar, mas uma hora tudo termina, você deve saber também. Pra ser sincera, tô me desculpando por educação, gentileza ou hábito, não que eu devesse algum tipo de desculpa ou satisfação. Pra ninguém nesse mundo, aliás! Tudo bem pra você? Espero que sim, não me importo se não. É assim que é, não é? Tô aprendendo, eu diria. 

 Passei alguns anos repetindo freneticamente, como um mantra maldito, que "quem muito se ausenta, uma hora deixa de fazer falta", uma das frases mais sábias que eu já li e desejava com todas as minhas forças que um dia eu pudesse repetir com total propriedade. Já posso. Melhor, agora se ausentou um pouco, já perdeu o espaço

 Tô com pressa, preguiça ou só espaçosa demais, não sei, mas tá tudo muito melhor. Quer vodka? Pega pra dois. Sem drama, sem expectativas ou babados cor de rosa. Nada dói e é como se tivesse sido tirado um peso das minhas costas, que eu já achava que era parte de mim. 

 Triste vocês sempre precisando perder pra valorizar, muito feliz eu finalmente me encontrando, ainda que do avesso, se preciso. Tão mais leve quando o sentimento não passa de interesse. Porque interesse, você sabe, só precisa de um outro alvo mais interessante pra ter fim. E ir embora me parece bem mais justo do que aguentar qualquer outra partida, de gente que nunca mereceu nem que eu ficasse.

- Marcella Fernanda.

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Antes Só.



 Antes só, do que mal acompanhada. E o ditado popular mais batido do mundo nunca me fez tanto sentido. É isso, era isso o tempo todo. Aguentar um monte por causa de amor, remar sozinha, fazer de tudo pra dar certo, tudo muito bonito, mas nada prático e, no fim das contas, quase nunca vale a pena. 

 Faria sim tudo de novo, mas só porque preciso esgotar todas as possibilidades pra não surtar, não porque eu acho que poderia dar certo de alguma outra forma. Os conselhos da minha mãe e das minhas amigas ecoam nos meus pensamentos, como um tipo de eu-te-avisei e eu concordo com a cabeça, fazer o que? Certas elas, burra eu. Sempre é tudo tão óbvio pro resto do mundo e me irrita esse tipo de estado patético de cegueira e total vulnerabilidade que o amor submete a gente. 

 E, por hoje, só peço que Deus me livre de qualquer amor ou quase isso e que, mais tarde, Ele me perdoe pelo meu pedido desesperado e cansado de livramento, depois de tempos tão difíceis e tudo bagunçado por dentro. 

 Acontece que, depois do amor, não dá pra seguir em frente sem férias. Então declaro, oficialmente, meu período de recesso emocional. Longo, eu espero. Pra respirar, me recompor, experimentar. Pra me amar e fazer de tudo por mim, pra variar essa história. Um pouco de mim pro mundo, muito do mundo pra mim e let it be. É que eu já não tenho forças pra iniciar novas histórias, entende? Só não consigo... Me dá calafrios toda vez que penso em me apaixonar e talvez essas mulheres malucas de filme, que não deixam passar do quinto encontro pra não criar nenhum tipo de vínculo, sejam só espertas demais. É, hoje não acho má ideia, muito pelo contrário. Tô esperta ou louca também. Provavelmente os dois.

- Marcella Fernanda.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Quem é feliz.





Quem é feliz não espalha, não grita aos quatro cantos de uma maneira 'forçada'. Quem é feliz, satisfaz-se por ser e isso se torna tão transparente que transparece no olhar, completamente na pessoa. 

Quem é feliz sabe que a felicidade anda coladinha à inveja. Quem é feliz não precisa provar e reafirmar nada, simplesmente é. As pessoas felizes demais nunca me inspiraram confiança. Essa coisa de que a vida é uma festa e não existe nada errado, não me brilha aos olhos. 

Feliz é quem conhece o lado mau da vida e respeita-o. Somente quem já teve momentos infelizes pode entender que a tristeza traz um punhado muito bom de aprendizado. Felicidade não é para quem grita mais alto, é pra quem sorri mais fundo. Felicidade é pra quem o verdadeiro transborda naturalmente.

- Autor Desconhecido, Adaptado.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Se Não Podes.



Se não podes ser vento, que sejas brisa leve.
Se não podes ser ar, que tenhas lábios salvadores.
Se não podes ser sol, que tenhas abraços apertados e calorosos.
Se não podes ser mar, que tenhas calmaria em teu colo e ondas em teu acarinhar.
Se não podes ser mata, que tenhas o que esconder e o que mostrar.
Se não podes ser flor, que tenhas perfume em teu corpo.
Se não podes ser pássaro, que caminhe

 espalhando bons cantos.
Se não podes ser a felicidade, que tenhas um sorriso largo.
Se não podes voltar no tempo, que sejas sempre uma eterna criança.
Se não podes ser Deus, que tenhas amor ao outro.
Se não podes ser outro, que sejas o melhor que você possa ser.

Hugo Rodrigues.

sábado, 3 de novembro de 2012

Cachorros Convictos.

Sinceramente? Sou, assumidamente, fã dos cachorros convictos. Isso mesmo, do cara que te diz que não quer se envolver, com todas as letras. Que gosta de você, da noite, das bebidas, das biscats e não esconde isso, pelo contrário. 

Não, quando eu gosto mesmo de alguém, não sou do tipo desapegada por natureza e me dá nos nervos aturar esse tipinho de vida, quase sempre. Também passo longe de fazer a linha não-ciumenta, let it be. Gosto de romance, mimimi, cinema, clichês, pronomes possessivos. Mas é que entre todas as coisas que eu gosto, tem uma que eu não abro mão: Sinceridade. E, por isso, prefiro um filho da puta sincero do que um príncipe de mentirinha. 

Prefiro poder ficar em paz e saber que tudo que ele diz provavelmente é verdade mesmo, porque dificilmente são coisas bonitas e, quando são, tem muito valor, porque são raras e não complemento do "Bom dia". Não tô com um santo, mas sei todos os pecados pela boca dele, sem disse-me-disse, sem ter que pagar de detetive. 

Acho que é um tanto quanto tranquilizador você saber exatamente o tipo de pessoa que tem do lado, entende? Não tenho paciência ou conformidade pra aguentar o cara perfeito, falando coisas perfeitas, fazendo juras de filme, com promessa de filhos correndo pela casa e um cachorro no quintal. Eu ia surtar todos os dias, tentando descobrir quem é ele longe de mim, porque ele é homem e tudo isso tá muito errado. Não ia conseguir achar lindo, morrer de amores e ponto, topar ser resgatada da torre, com um sorriso de canto a canto.

Tipo de gente e de história que não me convence: "Encantada". Acredito em fidelidade, acredito e espero. Felicidade a dois, cumplicidade e todas essas coisas. Mas somos todos vacilantes e ninguém aqui é personagem de um filme de romance, então vamos nos poupar. Vou te contar, eu amo flores. Mas amo muito mais a verdade.